Sirva-se

Sirva-se

“Antes era um caminho de xícaras com palavras óbvias escritas em folhas de papel. Depois houve uma sugestão: por que não água dentro delas, pra refletir o céu? Aderi à sugestão. Mas adaptei. Coloquei chá. E em cada chá, um pedaço de silêncio. O céu acabou não sendo refletido literalmente. O chá, meio marrom, refletia seu próprio silêncio e apenas fragmentos de céu. Um simples caminho de xícaras até uma árvore. Árvore sagrada – foi o que soube depois. E nas folhas dessa árvore, aí sim, foram escritas palavras. A essa altura as palavras já não eram tão óbvias assim. Por último, tornei-me moça num vestido roubado – melhor dizendo, compartilhado. Sentei-me embaixo dessa árvore, sob as palavras. E bebi o silêncio…” [Olga Lamas – Núcleo VAGAPARA]

Sirva-se é um work-in-progress que mistura as linguagens da instalação e da performance, tendo como base criativa as ideias de infiltração e de silêncio. Este é o mais recente desdobramento da pesquisa que a artista Olga Lamas vem desenvolvendo sobre a vida e a obra de Virginia Woolf. Realizou apresentações em Campinas/SP, Rio de Janeiro/RJ, Salvador/BA, Festival BR 116 em Londres/Reino Unido e Scratxe Underground em Vitoria Gasteiz/Espanha em 2011. Em 2012 fez apresentações dentro do Mini-Festival De Solos e Coletivos III em Salvador, Jequié e Vitória da Conquista/BA, Maceió/AL, Aracajú/SE; no Festival Scratxe Underground Brasil na Ciudad de Madrid/España e na Bienal Internacional de Dança do Ceará – De Par Em Par, em Fortaleza/CE.

sirva-se (21′, videodança, 2013)
produção: olga lamas e daniel guerra
captação e edição de imagens: roberto jaffier
técnico de som: gastón ibarroule
performance: olga lamas